Kit de emergência de análise de água por R$25,00

Salve Itu 2

A situação da estiagem é crítica e os métodos de captação tem sido os piores possíveis, nós não sabemos como captar e tratar boa água e é importante admitir para aceitarmos os métodos mais básicos como o primeiro passo em sistemas interdependentes de saneamento humano. Alternativas como um biofiltro hidropônico seria a melhor caminhada até soluções, mas não é fácil construir um.

 

Contamos com o apoio dos netweavers entorno da Caminho das Águas para contatar a microbióloga Rosemeire Bueno e  a química Andrea Varsoni Carreri do CEUNSP na tentativa da criação de um kit de emergência para a análise das águas que tem sido utilizada pelas pessoas da cidade nestes tempos de estiagem.

E a resposta foi rápida e simples pois há uma dissertação de mestrado de autoria de Luiz Gomes Junior na UFMG que trata da construção deste kit, com o modelo básico orçado em R$ 25,00 (não sabemos o valor dos materiais em Itu).

A seguir vamos extrair alguns itens da dissertação do Luiz Gomes Júnior e destacá-los aqui para descobrirmos como montar o seu kit de emergência. Esse kit possibilitará averiguar a qualidade da água de forma rápida e “in loco”. Estamos procurando onde comprar os materiais, qualquer ajuda será bem vinda.

Cabe orientar que ainda não é 100% confiável o resultado e que devem ser feitos os procedimentos de tratamento da água como fervura por 5 a 10 minutos, repouso por 30 minutos com água sanitária (2 gotas por litro) ou cloração.

 

– Imagem do kit de emergência

– Tabela de materiais do kit de emergência

 

 

– Manual de instruções do kit alternativo

1o passo:

Com um balde bem limpo, lave-o três vezes com a água do reservatório e, em seguida, colete a água no centro do reservatório. Essa água servirá para realizar todos os testes.

2o passo:

Medição do pH:

Com as mãos bem lavadas pegue o tubo de ensaio para medir o pH. Encha-o até faltar ao equivalente a um dedo para completá-lo com a água do balde. Em seguida, adicione 3 (três) gotas do indicador universal (etiquetada como “pH”) e agite até a coloração ficar homogênea. Depois compare a cor com as da escala colorimétrica (01) de pH e verifique qual o pH mais próximo.

3o passo:

Presença de turbidez e a cor:

Com as mãos bem limpas, pegue o recipiente identificado para medir a turbidez e a cor. Enchê-lo até faltar ao equivalente a um dedo para completá- lo com a água do balde. Depois, compare a turbidez com a escala colorimétrica (02) e a cor com a escala colorimétrica (03) e verifique a presença ou a ausência de turbidez e cor.

4o passo:

Medição do cloro:

Com as mãos bem limpas, pegue o tubo de ensaio para medir o cloro. Encha-o até faltar ao equivalente a um dedo para completá-lo com a água do balde. Em seguida, adicione 1 (uma) espátula rasa de Iodeto de Potássio e 2 (duas) rasas da outra espátula de amido e agite até a coloração ficar homogênea. Depois, compare a cor com as da escala colorimétrica (04) de teor de cloro e verifique qual o teor mais próximo.

5o passo:

Presença de nitrito:

Com as mãos bem limpas, pegue o tubo de ensaio para medir o nitrito. Encha-o até faltar ao equivalente a um dedo para completá-lo com a água do balde. Em seguida, adicione 3 (três) gotas da solução de permanganato acidulada (etiquetada como “NITRITO”). Agite até a coloração ficar homogênea. Depois, compare a cor com a escala colorimétrica (05) e verifique a presença ou a ausência de nitrito.

 

Descubra mais informações sobre o kit de análise Luiz Gomes

 

Título: Kit de baixo custo para avaliação da potabilidade da água em zonas rurais

Autor: Luiz Gomes Junior

Link da tese: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/NCAP-87LKFV

Resumo: O objetivo desta pesquisa foi produzir um kit para a avaliação da qualidade de água, de simples funcionamento e baixo custo de confecção, para que o produtor rural possa realizar o monitoramento freqüente por meio de análises físico-químicas da água, para famílias da comunidade rural do Planalto, localizada no município de Montes Claros, região semiárida de Minas Gerais.  O kit alternativo foi desenvolvido nos laboratórios da UFMG, que possibilitou a comparação de seus resultados com os dos métodos convencionais. Foram realizados testes para análises de parâmetros físico-químicos, em laboratório, com amostras de água, de maneira convencional e utilizando o kit, e posteriormente foi testada a eficiência do kit na comunidade do Planalto. Esse kit possibilitará averiguar a qualidade da água de forma rápida e in loco, diminuindo o risco de que a população situada na região de características semelhantes às da comunidade rural do Planalto consuma água de baixa qualidade.

Espalhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

2 thoughts on “Kit de emergência de análise de água por R$25,00

  1. Caro Luiz, sou morador da zona rural de Lagoa Dourada MG, venho há muito preocupado com o consumo de água não tratada pela população das áreas rurais de todo o Brasil. Fazendo algumas pesquisas me deparei com seu trabalho intitulado “Kit alternativo para analise de água”. Pela minha visão, trabalho de grande valor social que poderia ser estendido para toda população.
    Gostaria de saber se possível, onde adquirir o Kit para eu fazer acompanhamento da qualidade da água que consumo atualmente.
    agradeço desde já, e parabéns pela excelente pesquisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

#queremoságua #sqn

#queremoságua Só que não turma. Primeiro que água tem, até um bocado ainda, mas está suja né? Nosso problema é água potável. Há uma certa ilusão sobre as águas subterrâneas mas olha só Itu, na pontinha do aquífero tubarão, sobra pouco para nós. Espalhe          
Aquiferos na região

Subscribe US Now